Buscar
  • Henrique Correia

Até o PSD deixou Idalino a falar sozinho na reunião pública no Porto Santo


Denúncia é de José António Castro estranhando que os partidos concorrentes à Câmara não tenham aproveitado esta oportunidade para apresentarem as suas propostas




O movimento “Mais Porto Santo”, liderado por José António Castro, vereador eleito nas últimas autárquicas, emitiu hoje um comunicado onde "estranha que, em tempo de pré-campanha eleitoral para as Autárquicas de 2021, os partidos políticos, os movimentos e os cidadãos do Porto Santo tenham dado falta de comparência na reunião pública camarária n.º 16, de 30 de julho de 2021, uma das últimas do actual mandato".

Castro diz mesmo que todos –inclusive o PSD que sustenta o actual Executivo municipal- deixaram o actual presidente, Idalino Vasconcelos a falar sozinho. Ignoraram a actual gestão camarária. Nem o PSD apareceu".

E questiona: "Por onde andam os candidatos? Estarão mais preocupados com os “soundbites” e com as redes sociais do que com as instituições autárquicas?"

O líder do Mais Porto Santo lembra a legislação: "De acordo com o artigo 49.º do Regime Jurídico das Autarquias Locais (Lei n.º 75/2013, de 12 de Setembro), os órgãos executivos das autarquias locais realizam, pelo menos, uma reunião pública mensal sendo fixado um período para intervenção e esclarecimento ao público.

Do mesmo diploma legal decorre que as atas das reuniões devem fazer referência sumária às eventuais intervenções do público na solicitação de esclarecimentos e às respostas dadas"

O vereador do “Mais Porto Santo”, José António Castro esperava que, a pouco menos de dois meses do acto eleitoral de 26 de Setembro de 2021, PSD, PS, CDU, o movimento independente de cidadãos “Uma Nova Esperança (UNE)” -protagonizado por Luis Bettencourt- ou o Partido Popular Monárquico (PPM) de António Olim aproveitassem este tipo de oportunidades para apresentar as suas propostas e reivindicações.


9 visualizações