Buscar
  • Henrique Correia

Bastonário quer que os políticos ouçam mais os psicólogos


Rubina Leal, vice presidente do Parlamento, diz que a Madeira tem, na Saúde Pública, o rácio de 1 psicológico por 4 mil habitantes, "muito além do recomendado" de 1 para 5 mil.


A presença do Bastonário da Ordem dos Psicólogos na Assembleia foi também de alerta para uma realidade do "novo mundo", que tem feito aumentar a importância dos psicólogos, sem no entanto haver correspondência na integração da especialidade na Convenção por forma a que haja comparticipação dos serviços prestados, como de resto acontece com outras áreas da Saúde, sabendo-se que a saúde dos povos de hoje, com as contingências de novas conjunturas, passa em grande parte pela componente psicológica.

Hoje, na Assembleia Regional, o bastonário participou numa conferência “Políticas Públicas que Resultam”. Francisco Miranda Rodrigues disse que a psicologia dá “muitas ferramentas para trabalhar as políticas públicas”, e por isso desafiou os políticos e decisores públicos a ouvirem mais os psicólogos como forma de estarem “mais informados” e tomarem melhores medidas em prol da vivência em sociedade.

“A política pública é um conjunto de leis, de regulamentos e de ações que têm como propósito organizar a sociedade em que vivemos” começou por referir Francisco Miranda Rodrigues na conferência “Políticas Públicas que Resultam”, realizada esta tarde na Assembleia Legislativa da Madeira, lamentando que muitas vezes essas “ações estejam bastante centradas no ângulo da economia”, esquecendo as “emoções” das pessoas. “Não devemos separar a razão da emoção”, alertou o Bastonário.


A vice presidente da Assembleia, como refere uma nota do gabinete de comunicação do Parlamento, começou por lembrar a pandemia da Covid-19 e a guerra para reforçar “a importância da saúde psicológica na construção de uma sociedade sã e equilibrada”, e o papel dos psicólogos na superação “das sequelas provocadas por estes eventos”.

“Para alcançarmos o desígnio da valorização do papel do Psicólogo afigura-se fundamental a aposta efetiva nos profissionais desta ciência, a que estuda o comportamento humano. Esta é uma aposta ganha”, garantiu Rubina Leal, apontando o investimento já feito na Região. “Por exemplo, enquanto que em Portugal Continental, existe um rácio de 1 psicólogo para cada 1100 alunos, na Madeira esse mesmo rácio é de 1 psicólogo para cada 750 alunos. Com o trabalho que tem vindo a ser feito, estamos cada vez mais perto daquele que é considerado o rácio ideal do número de psicólogos para o número de alunos”, afirmou.

Rubina Leal adiantou, que o “Serviço Regional de Saúde possui mais de 60 psicólogos, sendo que desses, mais de 40 estão alocados aos cuidados de saúde primários. Isto faz com que a nossa Região se encontre com um rácio, no contexto da saúde, de cerca de 1 psicólogo para 4 mil habitantes. Seguindo a recomendação geral de 1 psicólogo para 5 mil habitantes, constata-se que a Madeira vai mais além daquilo que é recomendado".

7 visualizações