Buscar
  • Henrique Correia

Cafôfo diz que Barreto foi premiado com a APRAM para "albergar os boys"


"Não há vergonha nenhuma quando se põe os interesses partidários e económicos à frente dos interesses da população”.




O comício foi de pré campanha e o local escolhido foi o Caniçal, integrado num concelho liderado pelo PS, com Ricardo Franco à frente da Câmara e recandidato a mais quatro anos.

As autárquicas como "pano de fundo", mas o tema nuclear, pela voz de Paulo Cafôfo, o líder do PS-M, foi a recente reestruturação do Governo Regional, com a saída do vice presidente Pedro Calado e a entrada do novo secretário das Finanças, Rogério Gouveia, além da distribuição de pastas pelas secretarias. Uma submissão aos poderes económicos e partidários, diz o líder socialista.

Para quem apontava o silêncio dos socialistas perante várias situações suscetíveis de aproveitamento por parte da oposição, hoje foi dia de "fartura", que às vezes o povo diz ser véspera de "miseria", poderá não ser o caso. Hoje, foi assim, comunicado reagindo ao PSD, bem como declarações de Cafôfo abordando o Governo e questionando algumas alterações, como seja a mobilidade distribuída por três secretarias: este Governo Regional está num beco sem saída” e que isso ficou bem demonstrado aquando da remodelação do Executivo. O responsável criticou que tenham sido distribuídas de forma anárquica as diversas pastas pelos diversos secretários, apontando ser inconcebível que, por exemplo, a mobilidade fique sob a tutela de três secretarias regionais. “A APRAM ficou sob a tutela da Economia, de Rui Barreto, que, apesar da ilegalidade do financiamento partidário que foi do conhecimento público, viu-se premiado agora com a questão dos Portos, com certeza para albergar mais ‘boys’ dentro desta estrutura, como já aconteceu com as diversas secretarias, particularmente a da Economia, que ele tutela”, disse Paulo Cafôfo.

O dirigente socialista não deixou também de apontar o facto de Miguel Albuquerque – que está implicado num processo criminal relativamente à questão da Sociedade de Desenvolvimento da Madeira e do Centro Internacional de Negócios – ter querido ficar precisamente com a tutela da SDM. “Só não ficou por mero acaso, o que significa que a raposa quis continuar dentro do galinheiro” e “demonstra que não há vergonha nenhuma quando se põe os interesses partidários e económicos à frente dos interesses da população”.

O presidente do PS-M afirmou que o Caniçal não pode voltar para trás e que “Machico tem de continuar no rumo certo com Ricardo Franco, com a sua sobriedade, a sua competência, com credibilidade e confiança no futuro”. Cafôfo enalteceu ainda o facto de o autarca de Machico ter diminuído a dívida de 30 milhões de euros para 2 milhões, com rigor e competência e apostando em áreas como o Desporto, a Educação e o Social.

Ricardo Franco, recandidato em Machico, diz que "nunca fizemos promessas inatingíveis. Nós temos os pés bem assentes no chão, sabemos perfeitamente qual é a capacidade da Câmara de Machico e não vamos prometer mais do que aquilo que conseguimos fazer”, disse Ricardo Franco, vincando que o seu compromisso “é trabalhar em prol da população, na melhoria da sua qualidade de vida e também no sentido de promover cada vez mais o concelho e todas as freguesias de Machico”.



5 visualizações