Buscar
  • Henrique Correia

Cafôfo quer cortar nas concessionárias das estradas e diz que os contratos "são ruinosos"


PSD defende-se com a necessidade de garantir custos fixos independentemente do volume de tráfego e com a legislação em vigor.


Paulo Cafôfo diz que renegociação com as concessionária das estradas levaria à Região a uma poupança de 25 milhões.


Brício Araújo diz que tanto a Vialitoral como a Viaexpresso tem custos fixos que é preciso assegurar, independentemente do volume de tráfego


As concessões da VIALITORAL e da VIAEXPRESSO estiveram em debate, hoje, no Parlamento, com Paulo Cafôfo, do PS, a defender a necessidade de uma renegociação em tempo de crise, lembrando ainda os 83 milhões que constam do Orçamento Regional para estas concessionárias e o princípio que esteve subjacente à concessão, contornar os limites de endividamento do Governo para criar mais endividamento. Nas contas socialistas era possível poupar cerca de 25 milhões de euros. Cafôfo fala em "contratos ruinosos".

Uma crítica que foi secundada tanto por Élvio Sousa do JPP, como por Ricardo Lume, do PCP, considerando este negócio danoso para a Região. Ao contrário, Lopes da Fonseca, do CDS, não respondeu diretamente mas recordou a Cafôfo a inexistência do aval de Lisboa, o que, por via disso, vai obrigar a região a gastar mais 84 milhões.

Brício Araújo, do PSD, refere que a redução apontada pelo PS, mesmo admitindo que pudesse ocorrer, nunca seria na dimensão apresentada, uma vez que a manutenção das vias rápidas, ainda que com menos tráfego em função da crise pandémica, tem custos fixos e é importante ter em conta esse factor.

Em debate esteve também o projeto de resolução, do JPP, que "Recomenda ao Governo Regional da Madeira que apoie os núcleos infantis através de uma comparticipação financeira, nos termos do já estabelecido pela Resolução n.º 1159/2007, de 19 de novembro com efeitos retroativos".

Os deputados madeirenses analisaram ainda o projeto de resolução, do PCP, sobre "Regime de lay-off – Apresentação da informação nominal de empresas beneficiárias de apoios da Segurança Social".

O debate foi ainda marcado por um voto de protesto do PS "Pelo discurso proferido pelo Vice-Presidente da Assembleia Legislativa Regional no âmbito das comemorações oficiais do dia do Concelho da Ponta do Sol”. Os restantes partidos criticaram a postura socialista por verem nele um ato de censura a um deputado eleito.

2 visualizações