top of page
Buscar
  • Henrique Correia

Calado explica melhor: o Estado que altere leis para pôr tropa e GNR a patrulhar



Qualquer das alterações exigidas ao Estado, para o caso do patrulhamento do Funchal, a mais difícil de resolver é a parte do Exército, a mais fácil é relativamente à GNR.



As declarações do Presidente da Câmara do Funchal ao JM, visando explicar melhor a defesa do patrulhamento da cidade por parte do Exército e da GNR, foram esclarecedoras e assim já é possível perceber melhor o pensamento de Pedro Calado sobre atribuições de cada força policial e a mensagem política que não assenta no desconhecimento mas sim numa dialética do "resolvam" de qualquer forma e alterem o que for preciso mesmo que neste momento não seja possível do ponto de vista legal. E sendo assim, remetendo para o Estado, entende-se o desabafo. Se a polícia não dá conta da segurança do Funchal, por falta de meios, então ponham o Exército ou a GNR a ajudar no processo. Não pode ser com a atual legislação, alterem o que for preciso. Assim, dito desta forma, estamos entendidos quanto ao propósito de Pedro Calado.

Mas o presidente da Autarquia mantém o Exército como um dos focos, sendo que se compreende, também, que não possa alterar o que tem dito, mas agora dá um grande enfoque também à GNR. Porque de facto, qualquer das alterações exigidas ao Estado, para o caso do patrulhamento do Funchal, a mais difícil de resolver é a parte do Exército, a mais fácil é relativamente à GNR. Porque para o Exército vir para a rua patrulhar, só em estado de calamidade e circunstâncias muito especiais, de ajuda, como aconteceu no 20 de fevereiro, ou por alteração constitucional. E a haver patrulhamento, com estas caraterísticas de segurança, nunca seria desarmado, como Calado deixa transparecer.

Quanto à GNR, além de a tutela ser a mesma da PSP, o Ministério da Administração Interna, o que não acontece com o Exército que é da Defesa Nacional, seria mais exequível, do ponto de vista legislativo, permitir a ação da GNR em áreas urbanas que hoje são da exclusiva responsabilidade da PSP. E assim complementava esse patrulhamento com o contingente regional, que é de 200 efetivos, que se juntariam aos cerca de 800 da PSP.

Pedro Calado manifestou-se, ainda, crítico sobre o quadro de informações geradas pela comunicação na internet, nas chamadas redes sociais, curiosamente o mesmo espaço onde se encontram os jornais a papel e as próprias páginas oficiais das Câmaras e do Governo, até pessoais, onde se mistura tudo, a qualidade com a falta dela, as palavras e atitudes mal intencionadas com as críticas com fundamento, muitas delas os órgãos de referência não fazem, porque não podem fazer, sendo que se percebe o incómodo que algumas observações "fora da caixa" possam suscitar em quem governa. Que obviamente não deve governar pelas redes sociais, como não deve governar pelos jornais.



22 visualizações
bottom of page