Buscar
  • Henrique Correia

CDS revela baixa do IRS na Madeira para os 3.º e 4.º escalões e tira incertezas


Lopes da Fonseca "puxa a brasa" ao seu partido e esclarece certezas de Rui Barreto e incertezas do secretário das Finanças.





Foi preciso esperar pela audiência do CDS para esclarecer estas diferenças colocadas pelo Governo nos jornais. Um a zero para Barreto.


Primeiro foi Rui Barreto, secretário regional da Economia, do CDS, a avançar com redução no IRS também na Madeira. Depois, foi o secretário das Finanças, Rogério do Gouveia, do PSD, a dizer que não tinha dados concretos sobre a estratégia de redução. Tudo pelos jornais. E finalmente, no âmbito das audiências para falar sobre o Orçamento Regional para 2022, o CDS veio hoje clarificar que o seu líder é que falou bem e certo.

De facto, o CDS revelou que foi o mesmo secretário regional quem confirmou que "as propostas previamente acordadas entre os líderes partidários, Rui Barreto e Miguel Albuquerque, vão ser incluídas no Orçamento Regional, nomeadamente a redução do IRS, nos 3.º e 4.º escalões".

Admite-se o desconhecimento sobre a dimensão, mas Lopes da Fonseca não deixa o partido ficar mal: "Há a garantia do Sr. Secretário das Finanças que no próximo ano haverá uma redução do IRS, sendo que, essa redução poderá ser estendida a outros escalões, para além dos 3.º e 4.º escalões. O CDS vê com bons olhos esta redução fiscal, que o CDS já anunciou durante esta semana, e que irá beneficiar, sobretudo, a classe média".

Outras das medidas que nós consideramos importante, sobretudo para os jovens, prende-se com a possibilidade de que, com as verbas do PRR orçamentadas para a habitação (176 milhões de euros), se dê prioridade a construção de habitação a custos controlados, possibilitando a que os casais jovens possam ter acesso a uma habitação a custos controlados, quer através da renda ou da compra, mas que o custo com a habitação para esses casais jovens não ultrapasse os 30% do seu rendimento.

11 visualizações