Buscar
  • Henrique Correia

Cruzeiros retomam em novembro; problema é a paragem em portos com focos de contaminação local

Albuquerque mostra-se cauteloso e diz que é esperar para ver os planos que ainda estão em estudo. Medição de temperatura é certa, testagem ainda não está colocada de parte


A Região recebeu, em 2019, 585 mil turistas de cruzeiros que tiveram um impacto de 50 milhões de euros na economia da cidade.


O reforço do cais sul, todo o molhe da Pontinha, envolveu um investimento de 4,3 milhões de euros, mais 800 mil para reforçar, igualmente, os pontões para acostagem dos navios. Estas obras foram hoje visitadas pelo presidente do Governo Regional, que aproveitou o momento para apresentar um novo projeto para o porto do Funchal: nova gare no cais 6, junto ao Hotel CR7.

Miguel Albuquerque revelou que a retoma dos cruzeiros, no porto do Funchal, está prevista para novembro, mês que tem agendadas algumas escalas, designadamente do grupo operador dos AIDA, que parece não ter cancelado as deslocações à Madeira, mas tudo isso vai depender da evolução da pandemia.

O presidente do Governo mostra-se, no entanto, cauteloso, uma vez que relativamente a esta operação de retoma dos cruzeiros, ainda há muito por esclarecer. "Os navios vão operar com um mini hospital, os passageiros são obrigados a fazer teste antes do embarque, mas existem questões que se prendem com o desembarque de passageiros em diferentes portos, alguns deles poderão ter focos de contaminação local, colocando-se o problema como voltam para o navio. E neste caso, ainda não se sabe como é que será o funcionamento. Vamos aguardar para ver, um teste em cada porto é uma das hipóteses. As situações são muito complicadas. Para já, temos um investimento de 620 mil euros, que prevê, entre outras medidas, a medição de temperatura, mas a testagem vamos ver como será".

A recuperação deste nicho de mercado turístico, cuja paragem afetou consideravelmente diversas atividades, é importante. E a comprová-lo estão os números de 2019, que Miguel Albuquerque lembrou: a Região recebeu, em 2019, 585 mil turistas de cruzeiros que tiveram um impacto de 50 milhões de euros na economia da cidade.

Relativamente à construção do novo edifício de apoio ao Cais 6 do Porto do Funchal, que recebe, anualmente, cerca de 50 escalas de navios de cruzeiros visa servir o tráfego de passageiros provenientes dos navios de cruzeiro que atracam no lado norte do porto, recebendo-os em melhores condições e conforto, aperfeiçoando a operacionalidade, a atratividade e a qualidade do serviço, enquanto devolve a harmonia merecida a uma das principais portas da cidade do Funchal, reabilitando e valorizando o espaço envolvente, importante para o turismo e para a economia do mar.



38 visualizações