Buscar
  • Henrique Correia

Eduardo Jesus admite alterações no logótipo da Marca Madeira



"Temos que ter a humildade de compreender e ler as situações", declarou o secretário regional do Turismo à Antena1 Madeira




O secretário regional do Turismo e Cultura admite ajustamentos no novo logótipo da Marca Madeira, na sequência de uma onda de críticas relativamente à inexistência de um reconhecimento de leitura, à prineira, do nome Madeira, mais do que própriamente o conceito que esteve subjacente à constituição deste trabalho.

Foi com alguma surpresa que Eduardo Jesus interpretou os sinais críticos, situação não muito habitual em política governativa que assume, por vezes, o autismo perante evidências, inclusive na área que tutela o Turismo. No caso concreto, o governante assumiu, em entrevista à Antena 1 Madeira, uma "total abertura para proceder à adequação necessária do logótipo. Temos que ter a humildade de compreender e ler as situações, temos a obrigação de ouvir e validar as críticas que sejam adequadas ao processo de avaliação que já vinha sendo desenvolvido neste processo".

O secretário lembra que os círculos visíveis na forma da nova Marca representam a convergência, a união".

Recorde-se que os objetivos da nova Marca, recentemente apresentados, assentam em quatro pilares, designadamente:


Madeira, tão tua!”

  • Um lugar onde me sinto bem: com um clima ameno todo o ano, a Região Autónoma da Madeira é um território pequeno o suficiente para oferecer uma escala humana, onde nos sentimos aconchegados, tranquilos e muito seguros. Simultaneamente, consegue ser enorme em diversidade, natureza e espaço para respirar.

  • Um lugar onde me sinto entre amigos: esta é uma terra da qual sentimos que fazemos parte, independente de qual seja a nossa idade ou os nossos gostos. Um sítio de pessoas autênticas, alegres e orgulhosas da sua história e cultura. Pessoas que recebem como ninguém, que constroem amizades e perpetuam um destino que acolhe turistas de braços abertos há mais de 200 anos.

  • Um lugar em que vivo como um local: Quer habitantes, como turistas, todos desfrutam do que as ilhas proporcionam: todos os dias há as 4 estações à disposição e, num instante, é possível passar da serra para o mar, ou da floresta para a cidade. Existe uma enorme riqueza histórica e cultural, que é um pouco de todos.

  • Um lugar ao qual quero sempre voltar: A experiência turística na região conta com uma infinita oferta: das pessoas à natureza, da cultura à gastronomia, a experiência nunca estará completa. Pode-se voltar em qualquer altura do ano, quando se tiver frio, quando se tiver saudades ou quando, pura e simplesmente, nos quisermos voltar a sentir bem.



Relativamente à retoma do turismo, Eduardo Jesus espera que ocorra o mais breve possível, embora deixando claro que os números não chegará, nesta fase, aos verificados antes da pandemia".



1,117 visualizações