Buscar
  • Henrique Correia

Empresa Horários do Funchal vai manter-se pública, promete Pedro Calado


Foram homenageados 65 trabalhadores que cumpriram, no dia de hoje, 35 anos ao serviço da Horários do Funchal.




O vice presidente do Governo Regional garantiu hoje que a empresa Horários do Funchal irá manter-se na esfera pública. “A empresa vai manter sempre o seu espírito de ação e de trabalho público”, afirmou, sublinhando que, independentemente do Concurso Internacional que foi lançado para a concessão do serviço público de transportes, a Horários do Funchal “estará sempre debaixo das orientações do setor público”.

Pedro Calado abordava a temática durante as celebrações dos 35 anos da empresa A cerimónia de aniversário realizou-se nas instalações da HF, na Fundoa, com a presença, também, do secretário regional da Economia, Rui Barreto.

Perante mais de meia centena de trabalhadores presentes, o vice-presidente do Governo Regional garantiu que o Plano de Investimentos previsto para 2021 não vai ser alterado, lembrando que, mesmo em tempo de pandemia, o Governo Regional não falhou com o pagamento das indemnizações compensatórias.

O secretário regional da Economia recordou que ao contrário do Continente, na Madeira, o Governo Regional nunca deixou de cumprir com o pagamento das indemnizações compensatórias às empresas de transporte colectivo de passageiros, garantido o pagamento dos salários e mantendo investimentos “muito relevantes” na renovação da frota automóvel.

Uma nota da secretaria faz referência que o presidente do Conselho de Administração da HF, Alejandro Gonçalves, enalteceu os 547 trabalhadores da empresa, referindo que “sem eles a Horários do Funchal não era a empresa que é hoje na Região Autónoma da Madeira” e que estes são os “verdadeiros responsáveis pelo serviço prestado”.

Na ocasião, foram homenageados 65 trabalhadores que cumpriram, no dia de hoje, 35 anos ao serviço da Horários do Funchal. Foi ainda homenageado um trabalhador que salvou de um afogamento uma cidadã do Funchal, no temporal que assolou a capital madeirense no início deste ano, foi ainda concedido um louvor, a título póstumo, à colaboradora Teresa Passos que faleceu no ano passado.


7 visualizações