Buscar
  • Henrique Correia

Europa está a pagar caro por não se ter autonomizado energeticamente da Rússia


A opinião é de Miguel Albuquerque, expressa no debate no Parlamento onde se debate a transição energética. A aposta da Madeira nas energias renováveis foi pioneira em Portugal após o 25 de abril, diz o presidente.



A Assembleia Regional está a debater, com a presença do Governo, a transição energética, com o presidente do Executivo a lembrar a aposta da Madeira nas energias renováveis, que foi pioneira em Portugal, após o 25 de abril, ao nível do aproveitamento da energia eólica". E é aposta para continuar e até reforçar, com vários investimentos na forja, desde modernização e ampliação das centrais da Calheta e da Serra de Água à construção de centrais de baterias, reforçou Miguel Albuquerque.

O líder do Governo Regional sublinhou ainda o "erro estratégico da Europa, sobretudo da Alemanha, ao não se autonomizar energeticamente da Rússia. Um erro que estamos a pagar, disse, bem caro, agora".

Uma dependência que, salientou, "vai contudo terminar, a partir de agora, face à nossa postura europeia perante a atual guerra na Ucrânia".

A Madeira quer liderar na produção de energias a partir de fontes renováveis, aproveitando também as verbas que virão do PRR, havendo um pacote de investimentos por parte da EEM, no valor de 69 milhões de euros, que se juntam aos 79 milhões de euros já investidos nos últimos anos, refere uma nota publicada nas plataformas digitais do Governo sobre o debate que decorre na Assembleia Regional.

"Miguel Albuquerque sublinha que todo este conjunto de investimentos permitirá que se passe de uma produção de energias renováveis na ordem dos 40% (relativamente à produção total de energia na RAM), conforme valores para este ano, para uma produção de 50%, a médio prazo".

Entre os investimentos, destacou a remodelação integral da Central Hidroelétrica da Serra de Água (15.00M€), a remodelação da Central Hidroelétrica da Calheta I (6.00M€), a implementação de um Sistema de Baterias no Arquipélago da Madeira (22 milhões de euros) e o desenvolvimento de redes inteligentes (21.50M€)

5 visualizações