Buscar
  • Henrique Correia

"Funchal seguro com câmaras" é o objetivo do protocolo entre Câmara e Polícia; Saiba onde ficam

Miguel Silva Gouveia apela a "todas as entidades da Região para que possam, dentro em breve, com outros instrumentos ligados à parte social e de saúde, terem também uma intervenção mais ativa nos problemas



O confinamento provocado pela Covid-19, que começou em março, veio mudar a segurança no Funchal. Com muitas explicações pelo meio, primeiro pouca preocupação, depois acusações de pouco policiamento, finalmente o reconhecimento do problema e adoção de medidas. A Câmara do Funchal assumiu esse combate e vai colocar sistema de videovigilância, que sem se substituir à intervenção policial, constitui um meio de apoio.

Hoje, o presidente da Câmara Municipal do Funchal, Miguel Silva Gouveia, e o Comandante do Comando Regional da Madeira da PSP, Superintendente-chefe Luís Simões, assinaram, nos Paços do Concelho, o protocolo com vista à instalação de um sistema de videovigilância CCTV no centro histórico da cidade. "Esta medida pretende, recorrendo às novas tecnologias, zelar pela segurança dos cidadãos com a utilização de câmaras de vídeo em locais públicos de utilização comum", revela uma nota enviada à conunicação social.

Miguel Silva Gouveia explicou, na ocasião, que “estamos na vanguarda das cidades inteligentes e este salto tecnológico, em matéria de segurança pública, vem servir de apoio à decisão interna, possibilitando que por esta via os crimes possam ser evitados, ou, se não conseguirmos evitar, podermos, através dos vídeos, fazer prova para eventuais ações ilegais e encontrar rapidamente os seus responsáveis.”

Acrecenta a mesma nota que "o apoio das novas tecnologias como meio de prevenção situacional, como é o caso do recurso à videovigilância, tem apresentado resultados muito satisfatórios, quer na diminuição da criminalidade quer na eficiência e eficácia da atuação policial, tese sustentada pelos diversos estudos publicados sobre esta matéria. O sistema de videovigilância proposto não visa em nenhuma instância substituir a componente humana da atividade policial, mas antes constituir uma ferramenta complementar dessa mesma atividade."

O autarca considerou que "a reunião junto da Secretaria de Estado da Administração Interna foi bastante proveitosa uma vez que demonstraram toda a cooperação para que este processo fosse tão rápido quanto possível. A assinatura deste protocolo demonstra que estamos no caminho certo para tornar o Funchal numa cidade com mais segurança para todos, trabalhando em rede com as entidades que estão disponíveis para relevar o superior interesse da cidade do Funchal, como é o caso da Policia de Segurança Pública e da Câmara Municipal do Funchal”

O presidente da Câmara do Funchal convida "todas as entidades da Região para que possam, dentro em breve, com outros instrumentos ligados à parte social e de saúde, terem também uma intervenção mais ativa nos problemas que são desse foro e que subsistem na cidade do Funchal”, destacando que o Executivo Municipal “tem criado condições e temos feito tudo o que está ao nosso alcance para tornar o Funchal uma cidade cada vez mais segura.”

6 visualizações