Buscar
  • Henrique Correia

Governo Regional paga testes a turistas se for exigido no país para onde regressam


Decisão aplica-se aos turistas que cheguem à Região com teste feito, a expensas próprias, com documento de recuperação da doença ou com primeira dose da vacina.



Uma resolução do Governo Regional, publicada esta quarta-feira, procede à alteração do número 17 de 31 de maio que declara a situação de calamidade, na parte respeitante aos passageiros que desembarcam nos Aeroportos da Região. O Governo estabelece que "todos os passageiros que tenham efetuado, a

expensas próprias, um teste PCR previamente à chegada aos aeroportos da Região, assim como aqueles viajantes a que se refere as alíneas b) - os viajantes que estejam munidos de documento médico que certifique que o portador está recuperado da doença COVID-19 aquando do desembarque no território da Região, emitido nos últimos 180 dias, ou de documento que certifique que o portador foi vacinado contra a COVID-19, de acordo com o plano preconizado e respeitado o período de ativação do sistema imunitário previsto no Resumo das Características do Medicamento (RCM) - e c) - Os viajantes munidos de documento médico que certifique que o portador foi vacinado apenas com uma dose (em esquemas vacinais de duas doses), respeitado o período de ativação do sistema imunitário previsto no RCM, quando se trate de doentes recuperados da infeção por SARS-CoV-2 há mais de 90 dias, ou diagnosticados com a infeção após a toma da primeira dose da vacina", poderão beneficiar do seguinte: - beneficia de teste rápido de antigénio ou de um teste PCR de despiste da infeção por SARS-CoV-2, aquando da saída do território da Região Autónoma da Madeira, caso exista a obrigação legal de o apresentar para fins de admissão de entrada no seu país de destino, sendo os encargos com este novo teste suportados pelo Governo Regional.” O Executivo considera importante que "no âmbito das medidas que visam promover e acelerar a retoma do setor do turismo, se revela recomendável contemplar a possibilidade dos viajantes, munidos de documento médico que certifique que o portador está recuperado da doença COVID-19 aquando do desembarque na Região, ou de documento que certifique que o portador foi vacinado contra a COVID-19, beneficiarem de um teste rápido de antigénio ou de teste PCR.

10 visualizações