Buscar
  • Henrique Correia

Jaime Filipe diz que este não é o momento de partidos mas sim de exigir Estado solidário

A relação institucional entre o Estado e a Região é muitas vezes afetada pelo “excesso de partidos”.


O líder parlamentar do PSD, Jaime Filipe Ramos, considerou hoje, no encerramento das Jornadas, no Caniço, que "esta não é a altura para se fazer “política partidária”, é o momento de “resolver” as situações e exigir aquela que devia ser a solidariedade do Estado para com a Região. Não é o momento de partidos, mas de promover a relação institucional entre o Estado e a Região, muitas vezes afetada pelo “excesso de partidos”.

Para o social democrata "a Madeira não tem podido contar com o Governo da República", lembrando que, "desde março, não houve qualquer apoio do Estado. Todo o esforço tem sido feito pelos madeirenses e porto-santenses".

Jaime Filipe Ramos considerou não ser tempo para a “demagogia e populismos”, que costumam surgir nestas alturas por “determinados protagonistas” e pelos “abutres do sistema, que gostam pairar sobre a desgraça alheia. Não podemos aceitar que haja políticos que tentem capitalizar com a ansiedade e com a incerteza da população”, mas que nos momentos da verdade “têm medo e fogem às responsabilidades”.

“Se há algo que nos honra nesta ação política, que começou de uma forma abrupta em março, tem sido a coragem manifestada pelo Governo Regional e pela liderança de Miguel Albuquerque.”

Segundo o líder parlamentar social-democrata, a Madeira tem estado “à altura do desafio” na adoção de medidas, sobretudo ao nível da saúde pública, dos apoios sociais, à economia e ao emprego. “E é nessa linha que temos que continuar, é necessário continuar com os pés bem assentes, conscientes da realidade e das dificuldades”, disse.

Um caminho que será difícil, reconheceu, e no qual precisamos “de todos”.


11 visualizações