top of page
Buscar
  • Foto do escritorHenrique Correia

Jardim não vai ao Chão da Lagoa e só regressa um dia "se for preciso"



"Estarei lá em coração. Um dia, se Deus me der vida e saúde, e se fôr preciso, espero voltar, com o Povo aonde retornei".






O antigo presidente do PSD Madeira Alberto João Jardim não vai marcar presença na Festa do partido, no Chão da Lagoa, a 23 de julho, mas diz que estará presente "de coração". Depois de sair da política ativa, voltou duas vezes, uma com Rui Rio mas recusando subir ao palco, outra no tempo de Passos Coelho, então no final da festa e quando pensava que já não ia encontrar os "indesejados". Falhou nas contas e foi logo cruzar-se com quem não queria: Passos Coelho, o líder que Jardim acusa de instigar a sua saída e mobilizar a candidatura de Miguel Albuquerque, à época um anti-jardinista, que entretanto já pensa como Jardim retomando o passado neste percurso para o futuro.

Hoje, no habitual artigo no JM, Alberto João Jardim diz que "este ano, nesse dia, que as minhas oitenta “primaveras” já não me propiciam a embalagem de outrora, nem a resistência às tentações, estarei lá em coração. Um dia, se Deus me der vida e saúde, e se fôr preciso, espero voltar, com o Povo aonde retornei.

Porque nenhuma idade tira o mínimo de força às Causas que nos unem, nem as gerações mais novas deixam afrouxar o que tanto e tanto tempo custou a conquistar, e Todos os que podem, dizem sempre “presente. Por isso, também lá estou!"

Jardim lembra o seu último Chão da Lagoa para colocar o foco nos 50 anos do PSD-M, em 2024: "No meu último “Chão da Lagoa” como líder do PSD/Madeira, 2014, terminei a intervenção dizendo “volto para o Povo, de onde vim”. E saltei do palco, deixando aí surpresos os Dirigentes, e no meio das massas populares apaguei as velas do bôlo de aniversário do Partido madeirense (40 anos).

Ano que vem, Agosto (PSD/Madeira), são já 50 anos… ouviram?…"





39 visualizações

Comments


bottom of page