Buscar
  • Henrique Correia

Jornais cada vez mais "dois em um"; distribuição do JM passa para a empresa do DN


EJM (proprietária do JM) adquiriu 40% de três empresas da EDN (proprietária do DN), a Imprinews, PubliFunchal e RAMeventos.




São as chamada sinergias na comunicação social escrita desde que o empresário Avelino Farinha passou a ser sócio dos dois jornais diários da Região, o DN e o JM, este um título que a empresa assume como existindo desde junho de 2017, altura que passou a privado, embora na realidade o título, que normalmente envolve a história de qualquer jornal, exista desde 2015, sendo que a 27 de abril de 2017 " o Governo Regional da Madeira decidiu adjudicar a venda por 10 mil euros do matutino JM da Empresa Jornal da Madeira (EJM) ao agrupamento 'Radio Girão e ACIN". Hoje, continua EJM, mas Empresa Jornalística da Madeira.

O JM anunciou, agora, que também passa a ser distribuído pela empresa do DN, a SDIM, agora também do JM, que neste processo de concentração empresarial adquiriu 40% de três empresas da EDN, a Imprinews, PubliFunchal e RAMeventos, respetivamente da impressão, da publicidade, através dos mupis, e da realização de eventos, como espetáculos e algumas organizações junto da emigração, com a presença de políticos regionais.

O JM explica que "passou a dispor de todos os meios necessários para continuar a afirmar-se no mercado regional, em todas as frentes, com edições impressa e digital, rádio, empresa gráfica, publicidade em abrigos de paragem (mupis) e organização de eventos".

30 visualizações