Buscar
  • Henrique Correia

Meio aéreo de combate a incêndios custa 5 milhões por três anos



Para além do helicóptero maior está igualmente na Região um mais pequeno, que ficará até final de agosto, num investimento de pouco mais de 252 mil euros. Servirá para formação dos elementos da equipa.






O Plano Operacional de Combate aos Incêndios Florestais está no terreno desde dia 15 de junho e o presidente do Governo Regional quis marcar esta vigência do POCIF com a presença numa cerimónia ocorrida nas instalações do Serviço Regional de Proteção Civil, com o helicóptero no centro das atenções depois da grande utilidade que teve na Região, nos últimos anos, um importante contributo que esteve colocado em causa, durante anos, por posições que, pelos vistos, não tinham sustentação técnica para justificar esse impedimento.

Albuquerque, hoje, apresentou o POCIF 2021 e o novo meio aéreo de combate aos incêndios. E anunciou que os recursos humanos para o POCIF 2021 obrigarão a um investimento da Região na ordem dos 1,1 milhões de euros. A que se juntará um esforço financeiro global na ordem dos cinco milhões de euros, na aquisição dos serviços do meio aéreo de combate aos incêndios para os próximos três anos, sublinha uma informação publicada nas plataformas digitais do Governo.




Este novo helicóptero é maior, conforme explicou Pedro Ramos, permitindo tripulação de oito elementos, em vez dos cinco que componham o anterior meio aéreo. Tal implicou o reforço das equipas helitransportadas. Para o efeito, houve formação de mais 24 bombeiros da Região para fazerem parte daquelas equipas. 10 deles integram em breve o dispositivo.



5 visualizações