Buscar
  • Henrique Correia

Miguel Gouveia lança apelo à oposição com o Orçamento numa mão e a pandemia na outra


O presidente defende que "o Orçamento Municipal para 2021 afigura-se como o mais importante deste mandato para a cidade do Funchal e, acima de tudo, para a nossa população


O presidente da Câmara Municipal do Funchal tem a crise social e económica para resolver no concelho. E tem, também, um problema na Assembleia Municipal, onde não tem maioria e por isso mesmo é preciso uma espécie de "operação de charme" para garantir a aprovação do Orçamento.

Uma nota hoje enviada à comunicação social dá conta que o presidente da Autarquia concluiu, esta quarta-feira, a auscultação a todas as forças políticas com representação na Assembleia Municipal do Funchal, no âmbito da elaboração do Orçamento Municipal para 2021. Foram, assim, recebidos nos Paços do Concelho, desde a semana passada, os Grupos Municipais do PSD e do CDS, e os deputados do PTP, da CDU e os independentes, num total de seis audiências.

Miguel Silva Gouveia destaca, das reuniões mantidas com todos os representantes da Oposição, "a vontade manifestada pelo Executivo de estabelecer pontes e de encontrar soluções conjuntas para os desafios que a cidade vai enfrentar no próximo ano, com particular incidência nas consequências da crise de saúde pública. Estes foram encontros onde se valorizou a capacidade de diálogo, quando ele é mais necessário, e o apelo à cooperação, em nome daquilo que nos deve unir a todos nesta altura, mais do que nunca, que é o bem-estar de todos os funchalenses."

O presidente defende que "o Orçamento Municipal para 2021 afigura-se como o mais importante deste mandato para a cidade do Funchal e, acima de tudo, para a nossa população, porque é um orçamento elaborado num contexto excecional em toda a nossa democracia, que tem apelado, como nunca, ao sentido cívico de cada pessoa para a salvaguarda da saúde pública, e à capacidade de adaptação de todas as entidades públicas e privadas, de modo a podermos continuar a funcionar coletivamente enquanto sociedade."

3 visualizações