Buscar
  • Henrique Correia

"O património da Ponta do Sol não será usado para salvar uma sociedade falida"


Célia Pessegueiro: "O direito de uso de superfície para Estacionamentos que a Sociedade tem caduca a 27/06/2023, conforme deliberação da Assembleia Municipal já no ano de 2003".


Imagem publicada pelo DN.


Celia Pessegueiro "comprou" uma briga com a Sociedade de Desenvolvimento da Ponta Oeste. "Em defesa do que é nosso", reage a presidente da Câmara Municipal da Ponta do Sol, na sequência da notícia publicada pelo DN dando conta do embargo de uma obra da Sociedade na foz da Ribeira da Madalena do Mar. Embargo da Câmara por uma razão simples: a construção está ilegal. E por isso, como diz a autarca, "não havendo legitimidade, não há briga".

Hoje, no Facebook, Célia Pessegueiro escreve que "a Sociedade Ponta Oeste não é proprietária do terreno onde iniciou obras para construção de um restaurante na foz da Ribeira da Madalena do Mar. O terreno em questão pertence ao Município da Ponta do Sol. O direito de uso de superfície para Estacionamentos que a Sociedade tem caduca a 27/06/2023, conforme deliberação da Assembleia Municipal já no ano de 2003".

A presidente da Autarquia da Ponta do Sol acrescenta que "não havendo legitimidade, não há briga. Há uma questão de direito e de defesa do património que pertence aos Pontassolenses. O património da Ponta do Sol não será usado para salvar uma sociedade falida".

45 visualizações