Buscar
  • Henrique Correia

O Rali que já foi de "estrelas"


Italiana Antonella Mandelli participou regularmente no rali madeirense entre 1981 e 1985, ao volante de carros como o Fiat 131 Abarth e o Lancia 037, foi segunda classificada na estreia e voltou a subir ao pódio em 1983.


Antonella Mandelli foi referência da presença feminina do Rali Vinho Madeira.


De Ari Vatanen a Carlos Sainz, a Madeira foi palco do automobilismo de topo europeu.


Hoje, um Rali mais modesto, distante dos grandes tempos, prepara-se para a estrada com toda a tradição de sempre.


Verdade que a lista de 2021 não é má, verdade que nos últimos anos o Rali anda como pode com muitas limitações, mas verdade, também, que a competição já reuniu "estrelas" internacionais, designadamente nos tempos áureos do Campeonato da Europa.

O gabinete de comunicação da prova lembra, e bem, grandes pilotos, quem é da minha geração também recorda o que fizeram nas nossas estradas Ari Vatanen, que apontavam como o "piloto voador", nas também Carlos Sainz, Massimo Biasion, Tabaton, Vudafieri e muitos outros, para já não falar no lado feminino da competição onde Antonella Mandelli fazia furor dentro e fora da prova.

Mandelli participou regularmente no rali madeirense entre 1981 e 1985, ao volante de carros como o Fiat 131 Abarth e o Lancia 037, foi segunda classificada na estreia e voltou a subir ao pódio em 1983. Antonella estreou-se em 1979 com um Opel Kadett GT/E e chegou a utilizar um Alfa Romeo GTV em 1981. Nunca chegou a vencer uma prova ao nível absoluto mas foi a campeã europeia feminina em 1981.

Mas para os primeiros lugares, ao longo dos anos, o Rali Vinho da Madeira tem estado no caminho para o estrelato de vários pilotos que brilharam na cena mundial ou internacional da io modalidade. A comunicação da prova, cujo gabinete é liderado pelo jornalista Jorge Luís, mas também composto pela jornalista Lúcia Sousa, lembra, num texto publicado este ano, que "com grande prestígio internacional, a prova organizada pelo Club Sports da Madeira regista, por exemplo, a passagem de três campeões mundiais absolutos. Em 1978 passou na ilha Ari Vatanen, laureado no Mundial em 1981, em 1983 foi a vez de Massimo Biasion, campeão mundial em 1988 e 1989, e em 1986 participou na prova Carlos Sainz, vencedor do WRC em 1990 e 1992".

Pela Madeira passaram também nada menos que 25 campeões europeus, Adartico Vudafieri, Andrea Navarra, Armin Kremer, Armin Schwarz, Bruno Thiry, Carlo Capone, Cesar Baroni, Dario Cerrato, Enrico Bertone, Erwin Weber, Fabrizio Tabaton, Giandomenico Basso, Henrik Lundgaard, Jan Kopecky, Jean-Claude Andruet, Juho Hanninen, Krzysztof Holowicz, Luca Rossetti, Patrick Snijers, Piero Liatti, Renato Travaglia, Robert Droogmans, Simon Jean-Joseph, Toni Fassina e Yves Loubet

18 visualizações