Buscar
  • Henrique Correia

Obra de 9,2 milhões vai permitir poupar 17 milhões de metros cúbicos de água


A obra é comparticipada em 45% pelo programa comunitário POSEUR, sendo o restante financiamento garantido por um empréstimo bancário contraído pela CMF.



O presidente da Câmara Municipal do Funchal, Miguel Silva Gouveia, e o vereador com o pelouro das Águas e Saneamento Básico, Rúben Abreu, acompanharam esta semana, na Estrada Monumental, o início da 2ª fase da obra de controlo e monitorização de fugas nas redes de água do concelho, associada ao sistema de telegestão existente. Este é um investimento comparticipado que ascende a 9,2 milhões de euros + IVA, revela uma nota da Autarquia.

"A obra é comparticipada em 45% pelo programa comunitário POSEUR, sendo o restante financiamento garantido por um empréstimo bancário contraído pela CMF. Miguel Silva Gouveia explica que “com a 2ª fase do projeto, que tem cerca de 426 km de extensão de condutas principais e 25.680 ramais, vamos poder atingir uma poupança anual de cerca de 17 milhões de metros cúbicos de água face ao consumo atual.”

Em março de 2020 a Autarquia colocou no terreno a 1ª fase deste projeto que abrangeu as freguesias de São Martinho, Santo António e São Roque, “esta fase vem abranger as restantes freguesias do Funchal que no total representam 60% da rede, pelo que será a maior obra de modernização de redes de água da Madeira”, acrescenta o autarca.


3 visualizações