Buscar
  • Henrique Correia

País sem estratégia para doentes não Covid e muitos perderam a "janela de oportunidade"

Atualizado: 17 de Out de 2020

O alerta é do Bastonário da Ordem dos Médicos, Miguel Guimarães. Diz que a concentração de recursos para a COVID-19 está a ter “implicações nos doentes normais”



O Bastonário da Ordem dos Médicos "tocou na ferida" do Serviço Nacional de Saúde em contexto de combate à pandemia: os doentes não COVID-19. Que resposta dá o SNS, que estratégia para recuperar as já anteriormente extensas listas de espera para tudo, para consultas, para exames, para cirurgias. As mesmas preocupações ser colocadas relativamente à Região, embora de proporções diferentes. A concentração no combate à Covid agravou as doenças não Covid, umas vezes por culpa dos serviços, outras porque as pessoas têm os receios e não recorrem a esses serviços.

Miguel Guimarães fez uma intervenção recente, para debater o impacto da doença que mobilizou o País e canalizou todos os meios disponíveis. E criticou essa falta de estratégia "mesmo no plano outono-inverno onde continua a não haver uma estratégia clara para os doentes não-COVID”. Fez alusão ao facto da "mortalidade excessiva em 2020 ser muito superior quando comparada aos últimos dez anos. Se à preocupação acerca da mortalidade adicionarmos os impactos (ainda desconhecidos) da morbilidade podemos ter um cenário “assustador”. 

O Bastonário explicou, como refere uma publicação no site da Ordem, que muitos doentes “perderam a janela de oportunidade para serem tratados com o mínimo de prejuízo e/ou sequelas”.

A mesma informação dá conta que Miguel Guimarães voltou a alertar que a “concentração de recursos” para a COVID-19 está a ter “implicações nos doentes normais”. Doentes, esses, que somos todos nós, “são os portugueses que podem ter hipertensão, diabetes, etc.”. Para responder a uma situação ímpar como a que vivemos “Portugal precisa de um verdadeiro sistema de saúde, ou seja, de um Serviço Nacional de Saúde forte, mas também do setor privado e social como parte da solução".

Para o Bastonário "nós temos que cuidar da nossa saúde, porque cuidar da nossa saúde também é cuidar da nossa economia”.

4 visualizações