Buscar
  • Henrique Correia

TAP reduz operação em 93%, mantém ilhas e alteração das reservas volta a ser gratuita



Miguel Frasquilho: "Estas restrições provocam elevados e acrescidos constrangimentos à nossa atividade, contrariando as projeções já de si pouco animadoras"


A partir de hoje, 1 de fevereiro, a TAP vai reduzir a sua operação em 93%, acima do que tinha previsto há 15 dias., de 73%. As novas restrições do estado de emergência, de contenção à Covid-19, que levam à queda na procura, explicam a decisão.

Internamente, a companhia garante ligações a Porto, Lisboa, Madeira e Açores. Todas as reservas efetuadas podem ser alteradas de forma gratuita, tal como já aconteceu durante o confinamento anterior. Além do mercado interno, a TAP assegura, também a partir de 1 de fevereiro, ligações às cidades com comunidades portuguesas significativas (Newark e Boston, nos Estados Unidos da América, Toronto, no Canadá, Madrid, Barcelona, Málaga, Valência, Amesterdão, Bruxelas, Genebra, Zurique, Luxemburgo, Paris, Nice, Toulouse, Marselha, Lyon, Milão e Roma, na Europa, e Bissau, Conacri, Dacar, Maputo, Praia, São Vicente e São Tomé e Príncipe, em África). A agência Lusa divulga uma carta de Miguel Frasquilho, administrador da TAP, aos colaboradores, onde dá conta dessa redução e explica algumas das novas realidades impostas pelo combate à pandemia: “À proibição e suspensão de voos nas ligações aéreas entre Portugal e países como o Reino Unido, Angola, Brasil e Alemanha, junta-se o novo quadro do estado de emergência português, que entrou hoje em vigor, o qual mantém o autoconfinamento e determina a proibição de deslocações de cidadãos nacionais para fora do território nacional, o que está em linha com a tendência europeia e mundial, de restrição temporária de todas as viagens não essenciais”, salientou a TAP. “Estas restrições provocam elevados e acrescidos constrangimentos à nossa atividade, contrariando as projeções já de si pouco animadoras”, acrescentou.

4 visualizações