Buscar
  • Henrique Correia

Concelhia do PS defende demissão do líder do CDS na Assembleia Municipal


Em causa o conteúdo da reportagem da SIC sobre recebimentos de verbas, em contas pessoais de dirigentes do CDS, entre eles Gonçalo Pimenta



Gonçalo Jardim, presidente da concelhia do PS Funchal


A concelhia do Funchal do Partido Socialista emitiu uma nota onde defende que "perante a divulgação de um caso de alegado financiamento ilegal ao CDS Madeira que envolve um conjunto de dirigentes do partido, Gonçalo Pimenta, líder da bancada parlamentar do partido na Assembleia Municipal do Funchal e nomeado Presidente da Madeira Parques Empresariais, não tem condições para continuar a exercer estas funções públicas".

Segundo a posição socialista "os factos relatados na reportagem da SIC, emitida esta quarta-feira à noite, indicam Gonçalo Pimenta como um dos dirigentes do CDS Madeira que recebeu uma parcela do financiamento na sua conta bancária pessoal, uma prática que não é legal nem aceitável, que foi feita à revelia do que define a lei e que é reprovável do ponto de vista ético. O facto dessa verba ter sido restituída, aparentemente após ter sido descoberto o esquema, não retira gravidade ao assunto".

Face aos factos, sublinha o líder da concelhia socialista, "Gonçalo Pimenta deverá fazer rapidamente uma reflexão séria sobre a sua postura e tirar as devidas conclusões e consequências. Não basta ir às reuniões da Assembleia Municipal levantar a voz, lançar acusações infundadas e tentar bloquear a ação do executivo municipal com opções de puro tacticismo político de mão dada com o PSD. Não pode valer tudo na política. É preciso saber assumir responsabilidades perante falhas com este nível de gravidade.

A ética, a transparência, o respeito pela lei e, acima de tudo, a confiança com os funchalenses são valores que não podem nunca ser trocados por interesses privados e agendas escondidas".

6 visualizações