top of page
Buscar
  • Foto do escritorHenrique Correia

Naval faz "Festa Branca" mas não quer ter nem polícia nem hotéis "à perna"



António Fontes: "O CNF faz um apelo público, em especial à Polícia de Segurança Pública e aos grupos hoteleiros cercanos da Quinta Calaça no sentido de usar do bom senso..."




O Clube Naval do Funchal vai promover no sábado, 16 de setembro, nas suas instalações da Quinta Calaça, a XXI Festa Branca. Entre as 18 horas e a 1 da manhã. Naturalmente com diversão, música até ao fecho, mas muito provavelmente com prolongamento pela madrugada.

É neste enquadramento que António Fontes, o presidente da direção, fez uma carta aos sócios onde dá conta da iniciativa e revela que o figurino deste ano será diferente ao envolver quatro restaurantes, chefes conceituados e música ao vivo, tudo isto para que a noite em que o branco domina seja realmente inesquecível. Os sócios não pagam, devem apenas levantar os bilhetes.

Mas António Fontes aproveita uma missiva dirigida aos sócios para um apelo público que não é muito normal acontecer e que certamente visa sensibilizar a vizinhança e as autoridades para os previsíveis excessos que a festa pode conferir à noite e madrugada de sábado. O presidente escreve: "O CNF faz um apelo público, em especial à Polícia de Segurança Pública e aos grupos hoteleiros cercanos da Quinta Calaça no sentido de usar do bom senso na gestão do direito ao sossego de dezenas de pessoas e do direito ao divertimento de milhares delas".

Ou seja, o que António Fontes propõe é que tanto a polícia como a "vizinhança hoteleira" passem ao lado do barulho que a Festa Branca deverá fazer mesmo depois de encerrar os festejos. Uma espécie de "cunha", em papel timbrado do clube, para contornar a lei. Porque milhares são mais do que dezenas.

52 visualizações

Comments


bottom of page