Buscar
  • Duarte Azevedo

O estranho caso de Ali Alobaidan


Jogador saudita passou a profissional do Marítimo mas ainda não fez qualquer jogo.

Em princípios de março deste ano de 2021 escrevíamos por aqui: 'Assim, sem (quase) ninguém dar por isso, eis que o Marítimo inscreve, em finais de fevereiro, na Federação Portuguesa de Futebol (FPF), mais um jogador sénior: Ali Fuad J. Alobaidan'. E revelávamos, também, que esse tal Ali, 21 anos, natural da Arábia Saudita, era proveniente do Gafanha, equipa do Distrital de Aveiro, onde tinha realizado (apenas) três jogos.

A verdade é que o futebolista saudita - dizem que é 'central' - foi então inscrito na FPF e não na Liga pelo que só poderia atuar pelos Sub 23. Não fê-lo nenhuma vez o que poderá ser revelador da sua valia.

Com 0 (zero) jogos realizados de verde-rubro, eis que Ali Fuad J. Alobaidan é surpreendentemente inscrito na Liga de Clubes. Ou seja, passa a poder jogar tanto pela equipa B como pela formação principal. O que, atendendo ao currículo apresentado, não é crível que venha a suceder.

Perante estes dados, não deixa de ser esta a principal surpresa nas inscrições maritimistas nos últimos dias de fecho de mercado. Mais, até, claro, que o avançado Sassá - tem contrato até Dezembro e parece recuperado da intervenção cirúrgica que efetuou ao joelho.

É, pois, caso para perguntar? O que tem Ali para ser profissional do Marítimo? Paga para treinar, paga para ser inscrito? Mesmo assim...

Salvaguardando que qualquer desempregado ainda poderá ser inscrito, esta surpresa é idêntica à não contratação de nenhum 'trinco' - no plantel principal está apenas Diogo Mendes - ou de mais um guarda-redes - continuam a existir somente quatro seniores para três equipas; Pedro Gomes foi inscrito mas ainda é júnior.

7 visualizações