Buscar
  • Henrique Correia

Albuquerque diz que o Orçamento de Estado é "desastroso para a Madeira"


Presidente do Governo diz que com as propostas do PCP e do BE "seria sinónimo de um novo resgate pela Troika”.




O presidente do Governo Regional considerou hoje que o Orçamento de Estado "é ruinoso para o País e desastroso para a Madeira". Mas Miguel Albuquerque diz que ainda pode ficar pior "se vier a contemplar as medidas que o BE e o PC propõem. Seria a ruína total do País e sinónimo de um novo resgate pela Troika”.

O presidente do Governo Regional falava à margem da cerimónia de apresentação do Orçamento Participativo da RAM para 2021/2022, que decorreu hoje, no salão nobre do Governo Regional, como refere uma publicação do Governo.

Dando exemplos, Miguel Albuquerque criticou que, depois da crise pandémica que atravessámos, o OE para 2022 venha tirar à Região 15 milhões de euros em relação ao ano passado, «quando deveria ser o contrário".

Em segundo lugar, lembrou, não está clarificada a participação em 50% do Estado na obra do novo Hospital e continua sem resposta o facto de ser a Região que vem assumindo os custos da Soberania na Madeira, «o que é algo inqualificável», ao nível dos custos dos subsistemas de saúde.

O governante recorda ainda que no OE "não está prevista a regulamentação do subsídio de mobilidade, de modo a garantir que os madeirenses possam viajar a 86 euros» e nele não há também «qualquer medida, depois de tal ter sido anunciado, relativamente ao transporte marítimo, o chamado ferry".

Questionado sobre uma eventual negociação que viesse a viabilizar, através dos votos do PSD Madeira, o OE, Miguel Albuquerque lembra que, no atual contexto, os parlamentares da Região não seriam suficientes, pode ler-se no texto publicado na plataforma do Governo.

Mas, recorda que, como vem dizendo em mais de uma vez, em primeiro lugar está sempre a Madeira. «Se precisarem de nós sabem onde é que eu estou…", disse.



11 visualizações