Buscar
  • Henrique Correia

Caiu que nem "Ginjas"



O que diz o documento de estudo de impacto ambiental, que esteve sob consulta pública https://participa.pt/contents/consultationdocument/EIA_3093.pdf




Título DN de hoje


Quem não conhece a expressão "Cair que nem ginjas", que é o mesmo que cair bem, vir muito a propósito de qualquer coisa que era preciso vir na altura certa para evitar males maiores e que às vezes até parece combinado, mas que nem sempre é.

Mas "cair que nem ginjas" pode ser a solução para o caso da chamada estrada das Ginjas, que tem trazido polémica suficiente à praça pública devido ao processo inicial de asfaltagem, mas que, num ápice, leva paralelepípedos para amainar o ruído à volta da obra, por parte de partidos e associações ligadas ao ambiente e que faziam ecoar o que classificaram de atentado ambiental, com ameaças para instâncias internacionais, o que não convinha nada.

Pois bem, a secretária regional do Ambiente veio hoje a público esclarecer que, afinal, vai tudo em paralelepípedo, tenta assim colocar aquilo a que podemos chamar de "água na fervura" na obra de Humberto Vasconcelos, mas com Susana Prada a aparecer como "salvando a honra do convento" ao ter uma solução que vem responder ao estudo de impacto ambiental, esbatendo toda a volumetria de posições no sentido de uma insensibilidade por parte do Governo para temática da Estrada das Ginjas/defesa daLaurissilva.

Não fez por menos, sendo que esta reportagem no DN, acompanhada de pose especial, com um efeito nada consentâneo com a temática em abordagem, foi o tal cair que nem Ginjas na estratégia do Governo, deixando as associações e os críticos de "mãos atadas".

Agora, quanto a desenvolvimentos, vale a pena esperar por novos indicadores. Num dos jornais perto de si, talvez então com imagens de Susana Prada no terreno.

Vamos aguardar, pacientemente, essa agenda "governamental"...


101 visualizações