Buscar
  • Henrique Correia

Jardim acusa Santa Cruz de compra de votos e "leva": "Dose de falta de vergonha"


Filipe Sousa: "Quem enche a boca com a criação de emprego tem os seus filhinhos todos com tachos na função pública, mais os filhinhos dos amigos e de todos os que já se sentaram na cadeira do poder"




Filipe Sousa, o presidente da Câmara de Santa Cruz, não tirou folga neste domingo de Páscoa e apontou o seu "Ponto de Ordem" para o PSD e, desta vez, também para Jardim, o antigo presidente do Governo Regional, que esta semana, no Twitter e no Facebook, veio escrever: "Bravo,Dr. Brício Araújo, pela sua Responsabilidade e Dedicação para pôr St.Cruz de novo a se desenvolver e a criar mais Emprego!

Acabar com a estagnação e com o escândalo da compra de votos à custa do dinheiro dos Cidadãos!" Filipe Sousa responde, hoje, e Jardim leva pela "medida grande": "A cereja no topo do bolo que é a acusação de comprar votos com o dinheiro do povo. Frase declarada com uma dose de falta de vergonha monumental pelo campeão da subsidiodependência, das inaugurações com espetada. Depois, quando uma autarquia, e bem, ajuda os que mais precisam lá vem a acusação de comprar votos. E até se esquecem de que em causa estão programas sociais já com anos de existência e integrados numa política social estruturada e estruturante. Nada que se compare ao que o dito partido faz com verbas de orçamentos participativos e verbas sem critério que atribui aos seus braços armados para fazer o que as autarquias já estão a fazer. Mas nesse caso essa gente sem vergonha não fala em compra de votos". Quanto ao PSD, o autarca reconhece que "cabe a cada partido fazer o elogio dos seus candidatos, mas também seria desejável que tal elogio viesse acompanhado de verdade e não embrulhado em mentiras descaradas e quase cómicas". Responde às acusações dizendo que "quanto ao criar emprego, o partido que assim fala volta mais uma vez a insistir num pecado que é seu, pois não foi capaz de criar, ao nível governamental que é onde existem meios para tal, um modelo de desenvolvimento regional que torne o emprego mais estável e que crie efetivamente postos de trabalho. E agora vem, com toda a lata, atirar uma falha sua para cima dos magros orçamentos das autarquias, onde querem introduzir competências que são dos governos"

Além do mais, refere, "quem enche a boca com a criação de emprego tem os seus filhinhos todos com tachos na função pública, mais os filhinhos dos amigos e de todos os que já se sentaram na cadeira do poder ao nível regional. Enquanto os filhos do povo, incluindo o meu, emigram para poder trabalhar. E é esta gentinha que vem falar em criar emprego, quando se sabe que mal chegam ao poder é um fartote de empregos para filhos, amigos e militantes. Era assim no tempo do velho Senhor, e é assim no tempo dos novos renovados".

18 visualizações