Buscar
  • Henrique Correia

Madeira tem potencial para receber mais doentes Covid-19 do continente


Diretor clínico diz, no entanto, que essa disponibilidade deverá ser avaliada pelo SESARAM, dia a dia, atendendo à operação de logística complexa, ao doente e à comunidade



O diretor clínico do Serviço Regional de Saúde revelou há pouco que os três doentes críticos do continente, com Covid-19, que chegaram à Madeira ao princípio da noite desta sexta-feira, transferidos de unidades da Grande Lisboa, que estão sob grande pressão com falta de camas, já se encontram acomodados na Unidade de Cuidados Intensivos do Hospital Dr. Nélio Mendonça.

Júlio Nóbrega agradeceu às famílias dos doentes, que já foram postas ao corrente do respetivo estado clínico dos internados. Agradecimentos, também, para todos os profissionais de saúde envolvidos nesta complexa operação.

O médico admite que a Madeira tem potencial para poder vir a receber mais doentes Covid do continente, mas avançou ser importante avaliar a situação de forma ponderada, pelo SESARAM, dia a dia, uma vez que estas operações obrigam a uma logística complexa, além de ser importante avaliar a situação do doente, mas também da comunidade.

Júlio Nóbrega esclarece que os doentes em cuidados intensivos podem ver o seu estado ser reversível, sendo essa a expetativa do ponto de vista médico, uma vez que um doente que do ponto de vista clínico não tenha um prognóstico de possível reversibilidade, não poderá estar nos cuidados intensivos. Uma realidade que não é exclusiva da Covid-19, mas de qualquer doença.

Recorde-se que a Madeira disponibilizou três camas nos Cuidados Intensivos para doentes Covid do continente, disponibilidade que a Autoridade de Saúde de Lisboa desde logo aceitou e rapidamente os doentes chegaram hoje à Madeira no avião C-130 da Força Aérea.

Os hospitais de Lisboa e Vale do Tejo estão em pressão constante, face ao aumento de casos e de internamentos.

Foram, assim, transferidos três doentes internados em Cuidados Intensivos, dois do Hospital Beatriz Ângelo e um do Centro Hospitalar Lisboa Ocidental, para o Hospital Dr. Nélio Mendonça, no Funchal.

O secretário regional da Saúde, Pedro Ramos, referiu há dias que a Madeira dispõe de camas, de equipamentos e de recursos humanos diferenciados para tratar doentes covid-19, para além de dispor de um Serviço de Medicina Intensiva de nível máximo de diferenciação para tratamento de doentes críticos.

Inicialmente o Hospital Dr. Nélio Mendonça poderá receber até três doentes mas, Pedro Ramos não exclui a possibilidade de aumentar essa disponibilidade, tudo irá depender da evolução da situação epidemiológica da covid-19 na RAM.

Esta decisão foi concertada, com base na informação disponibilizada pelas direções técnicas, em articulação com o conselho de administração do Serviço de Saúde da RAM.

11 visualizações